Papa é pop, mas não é besta: Francisco lembra vítimas do aborto na Semana Santa

Papa Francisco tem acenado aos conservadores da igreja

A agenda progressista deve estar muito decepcionada com o papa Francisco. Alçado a queridinho do movimento, Francisco tem recuado em posições cruciais e estratégicas para a agenda progressista, talvez por uma pressão interna da ala mais conservadora do Vaticano. 


Depois de proibir a bênção católica à união homossexual e referendar o pecado para este ajuntamento matrimonial, papa Francisco disse agora que a sexta-feira santa  deve ser ocasião para lembrar os crucificados de hoje, entre eles, os “cordeiros imolados” como as vítimas inocentes das guerras, da violência diária e dos abortos. Francisco falou isso durante a catequese semanal da quarta-feira, 31 de março. 


“Ao adorarmos a Cruz, reviveremos o caminho do Cordeiro inocente, imolado pela nossa salvação. Teremos na mente e no coração o sofrimento dos doentes, dos pobres, dos descartados deste mundo; recordaremos os ‘cordeiros imolados’, vítimas inocentes de guerras, ditaduras, violências diárias, abortos... Levaremos diante da imagem de Deus crucificado, em oração, os numerosos, demasiados crucificados de hoje, que só d'Ele podem receber o alívio e o significado do seu sofrimento”, afirmou o Papa.


Francisco também citou o grande mal deste mundo: a ganância ao dinheiro. O papa chama os cristãos a reconhecer as numerosas vezes que (eles, os cristãos) "foram pagos" para não reconhecer na prática a ressureição de Cristo e não fazer o que Cristo nos pediu que fizéssemos como cristãos. 

Contra a união homossexual


No dia 15 de março, a Igreja Católica anunciou que padres não podem abençoar uniões homossexuais. Em nota, a CDF (Congregação para a Doutrina da Fé, organismo doutrinário da instituição) disse que qualquer bênção para casamentos entre pessoas do mesmo sexo serão consideradas ilícitas. De acordo com o Vaticano, "Deus não pode abençoar o pecado".


A iniciativa conta com o aval do papa Francisco que mudou seu posicionamento progressista em relação a esses temas. Em 2020, o papa chegou a defender que pessoas LGBTI+ tivessem os mesmos direitos legais que os casais heterossexuais


Ilze Scamparini é correspondente da Globo no Vaticano (ops, na Itália)


Óbvio que a grande mídia não deu o mesmo destaque à mudança de postura do papa e da Igreja Católica. Por onde anda a garota do papa, a Ilze Scamparini? Será que ela perdeu a carona no avião do papa? 

Comente

Não deixe passar em branco

Postagem Anterior Próxima Postagem